30 de jul de 2011



Bhakti Yoga


Quero compartilhar com vocês um pouco do que estou aprendendo e vivenciando sobre a cultura e os rituais hinduístas. Mesmo antes de visitar pela primeira vez a Índia (em Abril de 2009), sempre me identifiquei e procurei entender o significado dos rituais e de que forma eu poderia incluir este tão sagrado momento na minha vida, e qual era o sentido de tudo isso! O yoga me aproximou desta cultura e foram os meus primeiros passos dentro desta nova concepção de corpo e mente. Entendi que era preciso alimentar e nutrir estes dois mundos (Yoga = união).

Não posso dizer que finalmente algo aconteceu, mas obtive algumas graças.


Embora eu tenha criado este blog para contar todas as minhas experiências, não vou dizer exatamente tudo que aconteceu, pois faz parte de um universo muito particular. Mas o que eu posso falar é que finalmente eu encontrei a estrada certa, uma direção. Encontrei um caminho que me levou  à consciência de Krishna (por favor aguardem mais textos específicos sobre este assunto) mas o papo aqui é sobre a conexão com o mais elevado grau de devoção. E tudo esta acontecendo de uma maneira muito natural e sincrônica.


Tudo começou, há mais ou menos duas semanas atrás quando recebemos um novo morador aqui no apartamento. Ele é monge Hare Krishna (bramacharia) esta fazendo diversos tratamentos para um problema bem grave nas articulações, o hospital está lotado de pacientes, então tiveram que alojar ele aqui no quarto que estava vago. O problema dele é muito sério, ele tem artrite reumatóide num estado muito avançado; os calcanhares dele estão tão inchados que ele não consegue mais se locomover. Quem o trouxe para cá foi uma família residente da Látvia (norte da europa) que são membros e coordenadores do Iskcon templo de lá. A mãe foi a primeira a chegar, pois ela é médica ayurvedica e também estava fazendo algumas aulas no AVP (minha escola).


Quando tivemos a oportunidade de conversar, ficamos praticamente 3 horas sem nem beber água, de tanto assunto, tanta troca que aconteceu. Sempre tive curiosidade em saber e entender mais sobre os Hare Krishnas. Me lembrei de todas as vezes que estava lá, vocalizando o mantra sem entender direito o sentido de tudo isso. Ela me levou no Iskcon templo aqui de Coimbatore, e carinhosamente me explicou exatamente como devo me portar e o significado de cada imagem, cada pooja, cada mantra.  E me indicou algumas leituras que me ajudariam a entender melhor como tudo funciona. A base são os Vedas (leitura e interpretação dos Upanishads) entre outras tantas referências. O principal livro, logicamente é o Bhagavad-Gita.

Ao planejar esta minha atual viagem à Índia, mais uma vez eu pedi que uma luz me fosse enviada, que aqui eu pudesse, no berço desta civilização, entender o que eu estava procurando. Não queria respostas rápidas, queria sentir, apenas isso! Além do racional, além do impulso que tantas vezes me levou para tantos lugares diferentes. Queria deixar acontecer, não procurei por este encontro, sabia que na hora certa ele chegaria. E que, principalmente que eu estaria pronta para ele! Há poucos dias terminei de compor o meu altar, selecionei a imagem que eu quero me identificar e oferecer meus mantras e orações. Foi um momento muito especial, onde tudo ficou claro, finalmente fez sentido! Hare Krishna! Prazer em revê-lo!


Vou explicar um pouco como tudo funciona, para quem quiser ter o seu também:


No meu altar (foto acima) está a imagem de Krishna, com uma coroa de flores de jasmim  (que deixam um delicioso perfume no ar); e duas lâmpadas. As lâmpadas são sempre acendidas em dois momentos do dia. Momentos estes em que nos colocamos frente ao altar para entoar os mantras e praticar a meditação. O primeiro se dá antes do sol nascer, acendemos a lâmpada para trazer mais luz ao novo dia; o segundo momento é ao entardecer, quando o sol já se pôs, acendemos novamente a lâmpada para manter a luz dentro de nossa casa (muitas cidades aqui da Índia não possuem luz elétrica). Para acende-la usamos óleo de gergelim ou ghee. Com um pedaço de algodão, acende a pontinha e enquanto o óleo estiver na lâmpada, haverá luz. Os pós (vermelho e amarelo) são para fazer marcas na testa e no pescoço: na testa é proteção para o devoto, e no pescoço para a família do devoto. Se a mulher é casada, ela faz uma marca em vermelho no topo da cabeça para pedir proteção ao marido.

Podemos colocar ao redor da lâmpada, algumas flores, que enquanto vocalizamos os mantras vão sendo jogadas no pratinho onde fica a lâmpada. Qualquer oferenda é bem vinda! Colares, pulseiras, frutas, incensos..tudo para agradar ao seu Deus. Podemos também colocar mais imagens, estátuas, tudo aquilo que de alguma forma faça sentindo de estar ali presente. Até mesmo fotos de pessoas queridas ou de nossos ancestrais! Enfim, o que vale mesmo é a atidude de respeito e austeridade (rigor da disciplina).

Por fim, é procurar sempre tomar um banho ou lavar o corpo antes de fazer este ritual. Existem uma série de rotinas descritas nos textos clássicos de como fazer este pooja (oferenda), mas aqui estou passando uma idéia mais básica,  algo simples que pode ser feito em casa! Ah, uma última coisa, o altar deve estar num lugar alto (no meu quarto não foi possível, mas o que vale é improvisar) nunca colocar as imagens no chão! E manter tudo sempre limpo e perfumado! Sentar-se com os pés cobertos e nunca colocar os mesmos na direção das imagens!


Em resumo, o que eu desejo a vocês é que possamos de alguma forma nos conectar com uma energia superior, a energia do divino. Dando menos valor aos prazeres que só satisfazem os sentidos. Que busquemos uma vida plena e feliz! Que busquemos esta constante de felicidade!


"Que possamos ser únicos e divinos na nossa essência"


Namaste!
(o meu Deus interior, saúda o Deus que habita em ti).


14 de jul de 2011



Especiarias para ajudar os Kaphas neste inverno.

Para começo de conversa, vamos entender rapidamente o que são dos Doshas, princípios biológicos fundamentais do Ayurveda.

Como falei anteriormente, tudo que existe no universo é composto pelos 5 elementos (Pancha Mahabhutas) que são: espaço (Akasha), ar (Vayu), fogo (Agni), água (Jala) e terra (Prithvi). A matéria é composta da combinação destes elementos, em diferentes proporções. Podemos perceber substâncias mais densas e mais leves.

Um exemplo fácil para entender são as frutas: a banana tem mais quantidade do elemento terra que a uva, que tem em sua composição mais do elemento água. Alimentos feitos a partir de farinha, como pães, massas e bolos, são mais pesados que os legumes e vegetais, que em sua maioria contem mais água e ar na sua composição. Além disso, outra caracteristica muito importante das substancias é a sua potencia;  transmitir calor ou frio quando em interação com o nosso corpo.

Tudo no Ayurveda é baseado neste balanço entre: frio e quente, sol (surya) e lua (chandra), noite e dia.  É um conceito bem lógico, mas que rege todos os princípios terapêuticos desta prática.

Os doshas são as forças funcionais do corpo, e são responsáveis por todos os processos que mantém a vida. A palavra dosha tem o significado de impureza, pois quando existe um desequilibrio destas forças, o resultado são o aparecimento das doenças. Existem três doshas: Vata, Pitta e Kapha.

Vata é formado por ar e espaço, Pitta por fogo e água e Kapha por água e terra. Estes três doshas quando em equilíbrio trazem saúde ao corpo. Mas vamos nos concentrar no dosha Kapha quando está em desequilibrio!

Por ser formado por água e terra, já conseguimos entender que suas qualidades são: pesado (guru), estático(sthira), macio (slakshna), olesoso(snigha), denso (sandra) e frio (seeta); caracteristicas da água e da terra. Transfira isso para o corpo, e você conseguirá entender estas propriedades associadas com a nossa fisiologia. Precisamos de terra para o crescimento do nosso corpo e para nos mantermos eretos. Estrutura, densidade. Precisamos de água para nutrir os tecidos e manter as articulações lubrificadas; óleo, maciez! Enfim, isto representa Kapha no corpo, e cada individuo terá em sua composição corporal diferentes quantidades deste dosha, mas todos nós temos ele presente. O sitio, ou seja, a casa onde mora este elemento no corpo é a parte alta (peito e cabeça).

Quando em desequilíbrio, ou seja, quando temos um aumento deste elemento no corpo (Vridhi), todas estas caracteristicas vão estar agravadas. Sentiremos sensação de peso e dores de cabeça, fadiga, aumento de muco, nariz escorrendo, desconforto na garganta, etc. Os sintomas, inicialmente são sempre sentidos no seu próprio sitio!

Como eu disse Kapha é frio! E nas temperaturas frias ele naturalmente se agrava. Resultando nos famosos resfriados. Vou escrever aqui algumas dicas que o Ayurveda nos trás para evitar que este dosha se acumule ainda mais, e também o que podemos usar para aliviar estes sintomas:

- Durante esta estação, evite comer comidas muito pesadas, gordurosas e de difícil digestão, isso só vai aumentar a sensação de peso no corpo; evite refeições frias (saladas) ou alimentos crus.

- Respeite os horários e se alimente entre 6:00 e 18:00hs. Evite comer muito a noite;


- Não durma durante o dia;

- Prefira os sabores punjentes (especiarias picantes), amargos e comidas quentes. Evite doces, alimentos muito salgados e azedos;

- Abuse de especiarias como: cardamomo, cumimho, cúrcuma, asafétida, canela, gengibre, pimenta preta e semente de mostarda; elas podem ser usadas nos chás e no preparo das refeições;

- O mel pode ser usado, pois ele ajuda a reduzir Kapha. Embora de sabor doce, dentro do corpo ele tem uma outra potencia (Vipaka; veremos isso mais adiante) que ajuda a secar o Kapha e reduzir o muco. Mas fique muito atento com a qualidade do mel! Deve ser 100% puro, sem adição de melados ou açucares, pois isto pode causar aumento de kapha, constipação intestinal e produção de toxinas! Um verdadeiro veneno!

- Limão: Esta é uma boa polêmica! Nossa avó dizia que limão é bom para curar o resfriado pois contém vitamina C. Ok, mas na visão do Ayurveda não é bem assim! Limão é azedo (Amla),o que aumenta o dosha Kapha e também Pitta (fogo e água). Ele tem a propriedade de ser adstringente, e limpar o trato respiratório e remover o muco, ok! Mas isso só faz aumentar a chance de infecções e produzir mais muco, ou seja, não ajuda em nada no resfriado! Uma boa fonte de vitamina C é o romã, use a fruta fresca ou sucos.

Anote aí uma receitinha ayurvédica para os Kaphas aliviarem os sintomas do resfriado e aquela dorzinha chata na garganta:

Ingredientes:

600ml de água
1 col chá de pimenta preta em pó
3 col de sopa de açucar mascavo
1/2 raíz de genbibre seco
1 col de chá de cominho (seco ou fresco)

Pode acrescentar um punhado de folhas de Tulassi (no brasil é conhecido como manjerição de folha larga, remédio do vaqueiro) amasse as folhas e coloca para ferver junto com os outros ingredientes, se não tiver as folhas tudo bem!

Para aqueles que tem bastante Kapha em sua constituição podem colocar uma colher de sopa de café para ferver junto, que ajuda a melhorar o sabor e também reduz Kapha, mas tome somente 1x ao dia com o café!

Deixar ferver por 10 a 15 minutos e filtre. Tome 3x ao dia!

Um grande beijo a todos!
Namaste!

13 de jul de 2011


Kati Basthi: Tratamentos localizados para dor.

Um segundo grupo de tratamentos que quero apresentar para vocês, são os tratamentos localizados. São aplicações de óleo medicado em uma articulação que esta sofrendo por falta de lubrificação. Quando sentimos  dor ou dificuldade de movimentar uma articulação, uma causa muito comum é a secura do liquido responsável por lubrificar e manter os tecidos conectivos saudáveis e em bom funcionamento.

Segundo o Ayurveda, estes problemas estão relacionados com o elemento AR, que por diversas razões está aumentado dentro do corpo, seja por consequencia de alguma doença, falta ou excesso de uso de uma articulação, ou pelo próprio envelhecimento. Outra causa também apresentada, são os excessos de toxinas (AMA) que impedem  fluxo deste AR, bloqueando os canais por onde ele deveria circular. Ao ser impedido de manter o seu fluxo normal, o ar se acumula e entra em contato com um tecido, causando secura e falta de lubrificação. Uma grande parte dos tratamentos utilizados são para promover a oleação do corpo, seja internamente ou externamente; para devolver a elasticidade e nutrição destes tecidos. Em conjunto, se faz uso dos tratamentos de purificação, que removem as toxinas limpando e desobstruindo os canais de ar  (prana ou energia vital).

Devemos pensar no nosso corpo como uma máquina, que rotineiramente precisa de reparos! Somos feitos de engrenagens e sistemas de encaixe muito delicados, por isso precisamos estar atento as suas necessidades! 

Vamos ao tramento!
A foto acima mostra um tratamento especifico para dores lombares, o procedimento é feito da seguinte maneira:

Um mistura de farinha integral e água para fazer a massa;
Moldar em formato circular e aplicar na região a ser tratatada (pode ser qualquer articulação);
Aquecer o óleo medicado com propriedades para pacificar o dosha Vata (responsável pelo aumento de ar no corpo), e aos poucos ir preenchendo o espaço com óleo.
Manter o óleo sempre aquecido e trocar quando necessário.

Manter por no mínimo 30 a 45 minutos, fazer por no mínimo 3 vezes, e acompanhar a evolução.

Depois de retirar a massa, fazer uma massagem local.

Caso o procedimento seja feito com a massagem no corpo todo, primeiro faz a massagem e depois o Basti.

Pode ser feito com óleo de gergelim, ou algum outro óleo com propriedades nutritivas. Os óleos mais utilizados no Ayurveda são:

Sahacharadi Thailam: Indicado para problemas do dosha Vata e dores em geral.
Karpooradi Thailam (Cânfora): Alivio rápido da dor, bom para casos agudos.
Balaswagandhi Thailam: Para fraqueza e falta de nutrição ou contraturas musculares.

Se o paciente estiver muito fraco pode usar Sahacharadi + Karpooradi juntos!

Namaste!

Receita Buttermilk

500ml de leite integral
250ml de água

Ferver, e quando estiver frio colocar o suco de um limão
Deixe descansar por uma noite e no dia seguinte use um misturador (ou mixer para os mais descolados) e retire toda a gordura que se formar nas bordas.

Está pronto uma saudável e deliciosa bebida! Ajuda a esfriar o corpo no calor e pode ser usado em diversas receitas, pois confere mais leveza a pães e massas. É mais fácil de digerir do que o leite comum, possui menos gordura, alto teor de potássio, vitamina B12, Cálcio, Riboflavina, e também uma boa fonte de fósforo!

Namaste!

De cuca fresca! Siro Leepam!

Já era hora de contar para vocês um pouquinho mais sobre os tratamentos que estou aprendendo aqui na Índia! Como todos já sabem estou fazendo uma especialização em Ayurveda e Pancha Karma (tratamentos de purificação) por três meses na Arsha Vidya Yoga, reconhecida e muito conceituada escola de Ayurveda no Sul da Índia.

O Ayurveda é uma ciência milenar, praticada há mais de 5 mil anos, ou seja por várias gerações este conhecimento foi transmitido; e como todo o pratrimônio histórico da Índia, muito bem preservado. Este sistema milenar de cura, reconhece o corpo como um universo particular, composto pelo 5 elementos (espaço, ar, terra, fogo e água) e a partir desta combinação é criada a vida e todas as formas de matéria existentes no planeta. Atráves da regulação destes elementos dentro do nosso corpo, estaremos saudáveis ou mais propensos a desenvolver doenças. Por isso, alimentação, hábitos saudáveis e estilo de vida são fundamentais para garantir este equilíbrio.

Vou falar um pouco mais nos próximos textos, mas a ideia fundamental que deve ser entendida é esta lógica: buscar o equilíbrio destes elementos! O grande diferencial, é que para se alcançar este estado, se faz uso dos próprios elementos. Estudamos as qualidade e as mais diversas caracteristicas de tudo que está presente na natureza; e o produto final são remédios compostos 100% de base natural, sem aditivos químicos, decocções de ervas, óleos medicados, e uma infinidade de tesouros que podem ser usados para as mais diversas finalidades.

Siro Leepam/ Thala Pothil (foto acima):

Este tratamento é indicado nos casos onde se tem muito fogo (dosha Pitta..explico mais adiante para não complicar demais..rsrsr) ou seja é um tratamento para esfriar o corpo, regular a temperatura interna. Quando se tem aumento de temperatura muitos problemas são observados, desde a dificuldade de dormir (casos crônicos de insônia), raiva e agressividade. Como em casos que se tem muita terra (dosha Kapha) e se percebe sintomas de fadiga, cansaço, estagnação e depressão.

É feita uma pasta com uma fruta chamada Amlaki (faz parte da famosa Triphala), esta fruta é utilizada desidratada e cozida com 900ml de Butter Milk (passarei a receita). A partir deste cozimento, se faz uma pasta e aplica ao redor da cabeça. Abhyanga (oleação do corpo) é recomendado antes de iniciar o Siro Leepam. 

É feito um buraco nesta massa onde será colocado o óleo, que contém ervas que produzem o resfriamento do corpo; a cabeça é coberta por uma folha de bananeira, mas apenas para não deixar a pasta cair, pode ser substituída por um tecido bem fino. Uma massagem no pescoço e ombros é bem vinda a cada 10minutos para evitar o desconforto e rigidez nos músculos.  

Permanecer por 45min a 1hora. Retirar tudo com muito cuidado, tomar um banho morno e descansar. Não se expor ao vento, frio ou calor extremo.

Eu me senti muito bem após este tratamento. É engraçado como aquela expressão: "Não esquenta a cabeça" é ayurvedica!!! Porque fiquei em um estado de muita paz e serenidade! E fora que tive uma bela e revigorante noite de sono, sem acordar nenhuma vez!!!

São as maravilhas do Ayurveda ajudando a nossa saúde! Já estou fazendo um pequeno estoque de todas as ervas e óleos da farmácia do hospital para usar aí no Brasil!!!

Um grande beijo a todos, e mantenham a cuca fresca!!! Sempre!!!